Sandy e Junior participam do Linha do Tempo, no Altas Horas

 

Dê o “play” no vídeo acima e confira como foi a entrevista!

Ao longo dos anos, a história pessoal de Serginho Groisman e sua trajetória profissional se convergem. Desde os anos 1970, quando coordenava os shows do Colégio Equipe, tradicional escola de São Paulo, o apresentador estava envolvido com nomes que fazem parte da história artística – e política – brasileira. Foi lá que promoveu apresentações de Raul Seixas, Cartola, Gilberto Gil, Novos Baianos, Elba Ramalho, Caetano Veloso, João Bosco e tantos outros. Dos palcos da escola para o rádio e, depois, para a televisão, Serginho seguiu construindo laços com tantas outras personalidades. No ‘Altas Horas’, ele recebe artistas dos mais variados gêneros, com histórias diversas e com um bocado de história para contar. É a partir de toda essa trajetória que o programa apresenta, a partir deste sábado, dia 26, o ‘Linha do Tempo’.

No novo quadro, o apresentador abre espaço para uma conversa intimista, em um cenário especial, em que ele e o convidado relembram acontecimentos que vivenciaram em conjunto, em momentos diferentes. “A ideia é contar aqui histórias sobre essas pessoas que muita gente não conhece e por eu ter me tornado muito próximo delas, há uma questão afetiva nessas entrevistas”, explica o apresentador.

Junior Lima e Sandy (Foto: Globo/Ramon Vasconcelos)

Ao todo, serão 11 episódios, exibidos dentro do ‘Altas Horas’, com nomes como Caetano Veloso, João Bosco, Walter Casagrande Jr., Ivete Sangalo, Titãs e até Fausto Silva. A estreia acontece com os irmãos Sandy e Junior, que se reúnem, pela primeira vez em mais de 10 anos, para uma entrevista. “Eles iam no meu programa desde muito novos e, depois de tanto tempo, nos tornamos amigos. Ainda mais com a chegada dos filhos…”, comenta Serginho. “Já tivemos diversos convites para nos reencontrarmos em um programa, e nunca aceitamos. E essa oportunidade aqui não dava para deixar passar, porque não há lugar melhor para celebrar isso”, revela Junior.

Junior, Sandy e Serginho (Foto: Globo/Ramon Vasconcelos)

Um dos assuntos mais marcantes dessa conversa envolve o fim da dupla, que foi um choque para muitas pessoas. “Acho que o público tem, ainda, muita curiosidade para saber como foi a tomada de decisão para desfazer a dupla, que foi um exemplo de sucesso desde o início. Na entrevista, eles vão contar como tudo aconteceu”, adianta o apresentador. “Desde o dia em que decidimos terminar a carreira em dupla, demoramos um mês para comunicar para a galera, para termos certeza de que não era um sentimento passageiro”, conta Sandy. Embora a separação tenha acontecido em 2007, as músicas dos artistas ainda são lembradas por fãs de várias idades. “Até hoje, tem muita criança que conhece a gente porque os pais falam para ouvir nossas músicas porque acham que é legal”, comenta Junior.

Junior, Sandy e Serginho (Foto: Globo/Ramon Vasconcelos)

Confira alguns trechos:

“A gente já teve diversos convites e nunca aceitou [dar entrevista]. Não dava pra deixar essa oportunidade passar, porque não tinha lugar melhor para a gente fazer isso”, afirmou Junior.

“Eu não tenho essa oportunidade há muito anos de dar uma entrevista ao lado dele. Por mais que a gente não tenha a intenção de voltar a dupla, a gente é irmão”, avisou Sandy.

“Adoro celebrar esses 17 anos que a gente esteve um ao lado do outro, profissionais. E eu me sinto aqui celebrando essa carreira linda que a gente construiu, cheia de amor, e linda”, completou a cantora.

Separação

“A gente estava fazendo sucesso. Foi uma decisão corajosa”, lembrou Sandy.

“Foi uma coisa por olhar. Ficou todo mundo com uma cara branca”, revelou o músico, sobre a a reação das pessoas próximas à dupla.

“Desde o dia em que decidimos terminar a carreira em dupla, demoramos um mês para comunicar para a galera, para termos certeza de que não era um sentimento passageiro”, contou a cantora.

Carreira solo
“A gente é muito diferente e na arte isso reflete diretamente. Tanto é que no trabalho, nós fomos para lados completamente diferentes. Talvez tenha sido um dos motivos da separação. Já tínhamos vontade de explorar coisas diferentes”, ponderou Junior.

“A separação fez bem a para a gente como irmãos. Ficamos mais próximos”, concluiu Sandy.

Legado
“Até hoje, tem muita criança que conhece a gente porque os pais falam para ouvir nossas músicas porque acham que é legal”, afirmou Junior.

Astros mirins
“No começo, ser filho do Xororó abriu bastante porta. Depois, fomos caminhando com as próprias pernas”. (Sandy)

“Foi um sucesso que foi muito rápido, no primeiro disco. Fomos estudar de manhã para ter as tardes livres para os compromissos de trabalho”. (Junior)

Bullying
“Eu usava cabelo arrepiado e cada fase era uma coisa. Tinha música que tinha que rebolar e rebolava no palco, mas eu era bem resolvido e é isso que tem que fazer para o trabalho? Então vamos! E aí chegava no colégio e tinha que fingir que não estava ouvindo para não ficar brigando com um bando de gente, com os caras mais velhos.” (Junior)

Pioneiros do pop
“Fomos um dos primeiros no Brasil a colocar balé nos shows. A gente se apresentava para 70, 80, 90 mil pessoas. O menor show foi para 50 mil pessoas.” (Sandy)

“A gente que ajudava a escolher o repertório.” (Junior)

“A virada maior foi quando começamos a compor e o Junior começou a produzir.” (Sandy)

Assista ao vídeo no início da página.

Por: Globo/A Gente Dá Certo

Comentários